“As pessoas não fazem as viagens, as viagens é que fazem as pessoas.” (John Steinbeck)

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Auschwitz - Birkenau II: a visita


Após a visita ao campo denominado Auschwitz I, campo que não foi construído pelos alemães, era um quartel do exército local que foi ocupado pelos nazis, fomos conhecer a alguns quilómetros deste o complexo Auschwitz - Birkenau II. Sim, porque a determinada altura a imbecilidade dos homens, levou-os a congeminar que não estavam a exterminar os judeus tão rapidamente e em número suficiente quanto pretendiam e como tal, construíram de raiz este complexo Auschwitz - Birkenau II. Um campo de puro extermínio.

A entrada.

Este é aquele local que todos reconhecemos de filmes: o edifício, a entrada dos comboios, a linha da morte. Na realidade quando pisei este complexo, desejei muito acreditar que estava num qualquer estúdio de cinema. Mas tal foi impossível, o campo cheira a morte, a sofrimento, a dor. Tudo demasiado real, demasiado presente para ser filme.

Uma das centenas de carruagens que ali chegaram.

Parece filme. Mas não é.
Fotos de época reais. Assustadoras.

É impossível passar indiferente pelos poucos edifícios que ainda permanecem intactos. É impossível ignorar as infinitas chaminés (cada uma representa um pavilhão que albergava dezenas/centenas de judeus). Estas foram as chaminés que resistiram ao incêndio que os nazis provocaram de forma a extinguir provas deste genocídio. É impossível olhar, e acreditar no que ali aconteceu. Imaginem... cada chaminé representa mais um albergue que existia ali. Eu não vi o fim das chaminés... Cada albergue representa centenas de judeus. Impossível imaginar.

Um dos albergues ainda intacto.
Conseguem distinguir do lado esquerdo as centenas de chaminés que resistiram ao incedio?
Quantos albergues deste existiriam... assustador.

E mais e mais chaminés...

E mais... e muitas muitas mais.

As condições deste campo são inenarráveis. As imagens falam por si.

Uma das câmaras de gás. Destruída pelos nazis. 

Interior de um albergue. Cada cama era para dezenas de judeus.

Interior de um albergue. "Condições" sanitárias.
Memorial. Para não esquecer.



Um murro no estômago. Uma visita para não esquecer.
SHARE:

Sem comentários

Publicar um comentário

Blog Layout Designed by pipdig